Poesia: "Lealdade"; por Matheus de Araujo

por MATHEUS DE ARAUJO

O quão leal você é? Você sustentaria sua lealdade até seu extremo, o tal "calor do momento"? Você honra sua História até nos momentos que você supõe que "a carne é fraca"? O que é fraca, afinal: seu caráter, suas desculpas, ou a carne? Ok, não sou babá de ninguém, cabe a consciência de cada um cada atitude feita.
Quando um vínculo entre corpos são criados, não está mais apenas em pauta o que se passa em um só coração, mas sim o diálogo que existe entre os corações. Diálogo que vai muito além do que os dois sentem um pelo outro. Num elo, beijo, transa, corpo, tudo isso é apenas uma consequência. São duas Histórias que se unem num entrelaço, são dois abraços que alcançam a alma, são dois ouvidos que entendem e sentem a outra voz. Simplesmente são. Se há alguma lacuna num possível elo que você vive, "algo de errado não está certo". Kendrick faz basttante jus à "loyalty", confira só.
Falo de uma conexão. Alguém que mergulhe na sua poética, alguém que tope nadar junto com você transformando aquele dilúvio em chuva de mec, alguém que te acolhe, alguém que olhe pro seu cabelo, pro seu nariz largo, pro brilho do seu sorriso nessa boca de lábios grandes e diga que são as coisas mais lindas que já se viu, que ouça seus choros e saiba acolher, já que só os dois entendem o que se passa.
Amor é uma palavra leal em que, quando dois imperfeitos compreendem perfeitamente suas imperfeições e as do mundo, ela é muito mais sentida do que falada. Ela é vivida. Vivida até nos momentos que muitos bocós dizem que "a carne foi fraca", e sem esforço algum pra que "a carne não seja fraca", já que é verdadeiro.
Experimente trazer seu coração mais pra próximo do ouvido de quem tá do seu lado. Ouça o que cada batida tem a dizer: as angústias, as crises, as dores. Isso é um dos mais puros atos de amor. Além de te fazer uma pessoa melhor para si, transmite esse melhor pra toda e qualquer pessoa, até mesmo aquela que seu coraçãozinho escolheu, sem você saber. Se um abraço se abrir pra ti como uma porta trancada à sete chaves se permite abrir apenas para quem a possa abrir, não hesite em se refugiar em tal. Permita-se.
A gente já chorou demais, daqui pra frente é denegrir sorrisos. Acho que não preciso dizer que escrevi isso de corpo e alma, né?!


" Lealdade

Essa coisa louca deve ser magia negra
Rap jazz dentro dum batuque de Olodum
Samba em pleno baile funk
Único de nós, desatando nós
Os desejos estavam presos na senzala
A marca das correntes era comum entre nós
Deixei fazer de mim seu quilombo
Nosso nós foi a chave para o exílio
Nossa liberdade jonga
Ao invés de esclarecer
Preferimos escurecer
Voa nas alturas com o pé no chão
Estrada de massapê, caminho em Iansã
A gente já chorou demais
Agora é denegrir sorrisos
Se houver doença, que haja cura
Se houver divergência, que haja compreensão
Se houver entrelaço, que seja de nossos traços
Pulsos desorientados a cada contato
Bate forte pra não deixar o mundo nos bater
Prosa malê
Realezas tupiniquins
Nosso nós é uma perfeita estaca de palafita
Firme da raiz ao telhado
Leve maresia que levita natureza quebrando concretos
E quando se vê, já levou todo revés
Confidente em estado onipresente
Tão fácil se quebra o breu
Em qualquer circunstância venta fidelidade
Sabor da mais pura lealdade."

Foto por Larissa Guimarães

Contatos do autor:
Facebook:  /math.araujo.poesia
Instagram: @math.araujo.poesia
E-mail:       math.araujo.poesia@gmail.com

1 comentários

  1. Lendo isso aos Prantos... Lindo, lindo, lindo!

    ResponderExcluir